9 de Maio de 2019 às 15:16

Mato-grossenses contribuíram para derrota de Sergio Moro

Gazeta MT

Dos três parlamentares de mato-grosso que integram a Comissão do Congresso que analisava a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça e Segurança Pública para o Ministério da Economia, dois contribuíram para a derrota dupla de Jair Bolsonaro -PSL e Sergio Moro. O senador Jayme Campos (DEM) e o deputado federal Valtenir Pereira (MDB) votaram pelo Coaf no Ministério da Economia.

A senadora cassada -ainda no cargo- Selma Arruda (PSL), que integra a base de Bolsonaro, votou para mantê-lo no Ministério da Justiça. No final, a decisão da maioria definiu a transferência do Coaf para a Pasta de Paulo Guedes.

A mudança faz parte da medida provisória que reestruturou o governo federal. O texto pode sofrer novas alterações quando passar por votação nos plenários da Câmara e do Senado. Esse era um dos pontos que enfrentavam maior divergência entre os parlamentares.

Após assumir a Presidência da República, Bolsonaro transferiu o conselho do extinto Ministério da Fazenda (atual Ministério da Economia) para o Ministério da Justiça.

No entanto, alguns partidos de oposição e do Centrão pressionavam o governo para que a unidade ficasse vinculada ao Ministério da Economia e apresentaram uma emenda para alterar esse ponto.

A retirada do Coaf do Ministério da Justiça significa uma derrota para o Palácio do Planalto e, especialmente, para Sergio Moro, que defendia a manutenção do conselho sob a sua alçada. Para o centro e para a oposição, o problema está justamente no fato do conselho passar por Moro, um juiz, digamos, "seletivo" no trato.