14 de Junho de 2017 às 16:27

Contrariando expectativas, Valtenir Pereira assume presidência do PSB em Mato Grosso

Gazeta MT

O deputado federal Valtenir Pereira acaba de assinar sua filiação ao PSB em Mato Grosso e deverá, já de pronto, assumir, enfim, a presidência da sigla no Estado. A notícia, recém confirmada, pega de surpresa até mesmo os parlamentares filiados ao partido. Pereira contrariou todas as expectativas.

Até a manhã de hoje, 14, o nome mais cotado era o do ex-prefeito de Cuiabá Mauro Mendes. Buxixo chegou a comentar o assunto (leia aqui). Bom nome, de apreço por parte da cúpula nacional com a qual, inclusive, vinha negociando. Chegou a sofrer punição junto a todos os demais filiados no Estado, mas de forma bem mais branda que os colegas destituídos. Logo abaixo voltaremos a este tópico.

Sobre Valtenir Pereira, o deputado federal aceitou o convite de filiação. A posse foi confirmada pelo presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, e será realizada ainda nesta quarta-feira. O deputado volta a sigla já na condição de presidente do diretório regional.

A medida, segundo boa parte da imprensa no Estado, deverá causar a previsível debandada de políticos do PSB rumo a outros partidos, com foco na eleição de 2018. Desde o fatídico episódio do boicote tal fato era aguardado. Eis, agora, a mais incontestável das comprovações.

Pereira e Mendes já se entranharam por conta do primeiro abandono do deputado ao partido, saindo do PSB rumo em PROS em 2013. O ex-presidente, destituído, Fábio Garcia também não dos mais amigos do parlamentar, ainda que tenha pedido cautela aos colegas Socialistas. Considerou, porém, "incoerente" tal convite.

Destituídos

Há dois meses, Fábio Garcia, então presidente estadual do PSB, votou em favor da Reforma Trabalhista do governo Temer na Câmara, contrariando postura e ordem direta do PSB dada a seus representantes e a punição veio rápido. Acabou punido e destituído pela cúpula nacional.

Não bastasse o boicote, demais parlamentares do PSB de Mato Grosso emitiram carta oficial em repúdio à medida tomada. A nota chega a comparar o episódio ao autoritarismo "resquícios da ditadura". "Apoiamos integralmente o voto proferido pelo deputado Fábio Garcia a favor da reforma trabalhista", destacaram. Acabaram, TODOS, também destituídos.

Além de Fábio Garcia e Sachetti, foram punidos Eduardo Botelho (presidente da Assembleia Legislativa do Estado), os deputados Oscar Bezerra e Max Russi, que hoje comanda a secretaria estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas).

A decisão do diretório nacional também atingiu Mauro Mendes, mas em menor escala.