14 de Junho de 2017 às 14:24

Barbosa diz que Lúdio recebeu propina para bancar campanha a prefeito em 2012

Confissão de ex-governador faz parte do pacote de acordos para sua soltura, ocorrida ontem a noite

Robson Morais

Em seu mais recente depoimento prestado à polícia, o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa -PMDB, solto na noite de ontem, 13, pela juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, para cumprir pena em regime domiciliar, apontou o então candidato a prefeito da capital em 2012, Lúdio Cabral -PT, foi beneficiado com a doação de dinheiro público para bancar combustível utilizado pelos carros que fizeram sua campanha eleitoral naquele ano.

A revelação do pagamento de propina feita por Barbosa ocorreu na Delegacia Fazendária (Defaz), onde o peemedebista confessou diversos crimes contra os cofres públicos durante sua administração. O esquema deu origem à operação Sodoma, que prendeu, há 1 ano e 9 meses, o ex-governador.

A quinta fase da Operação trata sobre o esquema de fraudes entre o Estado e as empresas Marmeleiro e Saga Comércio e Serviço de Tecnologia e Informática Ltda., que teriam ganhado licitações durante a gestão de Silval de forma fraudulenta. Para que fossem contratadas, as empresas teriam pagado propinas na ordem de R$ 5,1 milhões.

De acordo com o Ministério Público Estadual (MPE), o Estado teria pagado às empresas por combustíveis que sequer eram fornecidos. Os produtos teriam sido inseridos de forma fictícia no sistema.

Conforme o MPE, um dos responsáveis pelas fraudes no contrato com as empresas era o então secretário estadual de Administração, Francisco Faiad. O advogado teria utilizado parte da propina para pagar débitos da campanha eleitoral de 2012, na qual foi vice de Lúdio Cabral na disputa à Prefeitura de Cuiabá.

Faiad chegou a ser preso preventivamente durante a quinta fase da Sodoma, mas obteve habeas corpus no Tribunal de Justiça. Lúdio Cabral foi alvo de condução coercitiva no mesmo procedimento.

Em 2012, Lúdio Cabral foi derrotado non 2º turno por Mauro Mendes -PSB.

Solto

Prestes a completar o segundo aniversário de prisão, o ex-governador do Estado, Silval Barbosa -PMDB, sucumbiu à pressão. Solto após 1 ano e 9 meses atrás das grades, optou por colocar cinco bens à disposição da Justiça a título de pagamento aos danos supostamente causados aos cofres públicos. O valor total: R$ 46.624.690,30 milhões.

O bem mais valioso é a Fazenda Serra Dourada II, de 4,1 mil hectares, na zona rural de Peixoto de Azevedo. O imóvel rural é avaliado em R$ 33.144.381,55 milhões. Outra fazenda colocada à disposição, denominada Lagoa Dourada 1, é avaliada em R$ 10.497.101,23 milhões. A área, também na zona rural de Peixoto de Azevedo, possui 1,2 mil hectares.

O terceiro bem de maior valor colocado à disposição da Justiça pelo ex-governador é um imóvel localizado na Rua Amsterdã, bairro Rodoviária Parque, em Cuiabá. Ele foi avaliado em R$ 1.223.207,34 milhão. O ex-governador ainda disponibilizou a Justiça uma aeronave prefixo PT- VRX modelo EMB-810D. O avião é avaliado em R$ 900 mil.

Silval ainda disponibilizou um terreno na zona urbana de Sinop avaliado em R$ 860 mil. O lote tem 2,5 mil metros quadrados.