11 de Abril de 2018 às 09:18

Fagundes e senadores do SE e BA questionam fechamento e apontam prejuízos para Estados

Petrobrás confirmou em março possibilidade de fim de unidades e preocupação mato-grossense é com a pecuária

Robson Morais

Em nota enviada à imprensa, o senador Wellington Fagundes -PR se pronunciou sobre a possibilidade de fechamento das unidades da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados -Fafen nos Estados da Bahia e Sergipe. A medida, anunciada em março pela Petrobrás, terá impacto direto também em Mato Grosso, defende o parlamentar mato-grossense.

A decisão da suspensão foi oficializada, mais precisamente, no dia 27 do último mês, e visa, segundo a estatal, sanar um rombo total de R$ 800 milhões/ ano. Na nota enviada, Fagundes também rebate o argumento e endossa o coro de outro parlamentar. Eduardo Amorim (PSDB-SE) classifica a medida como "desmonte proposital".  O parlamentar sergipano solicitou uma audiência pública para o debate do tema. O presidente da Petrobras, Pedro Parente, não atendeu ao convite do bloco no Senado.

Bahia e Sergipe podem perder, no total, 1.100 postos de trabalho, além de brusca perda na arrecadação de impostos destinados aos Estados.

Mato Grosso

Nas palavras de Fagundes, o prejuízo mato-grossense se dá pela criação bovina. O fechamento dessas unidades, segundo ele, fará com que a pecuária passe por um grande retrocesso, o que poderá ter reflexos até na qualidade dos produtos. Ele teme que o uso de fertilizantes de procedência duvidosa abra espaço para questionamentos internacionais, "uma vez que os concorrentes são ávidos para nos prejudicar na disputa por mercados", diz a nota.

 "Vamos fazer todos os esforços para manter essas fábricas funcionando" - disse, ao sugerir a criação de uma Comissão Externa da Comissão de Agricultura para acompanhamento permanente da questão.