1 de Out. de 2018 às 09:19

Famílias codependentes de dependentes químicos!

Gazeta MT

Nos dias atuais, é cada vez mais crescente o número de famílias que sofrem as duras consequências emocionais geradas pelos comportamentos abusivos do seu familiar usuário de substâncias psicoativas.

É natural como seres humanos, termos a necessidade de ajudar o outro, desejando que ele pare de sofrer e melhore, não medindo esforços para amparar quem amamos. Protegendo-o de tudo que poça lhe fazer mal, certo? Mas qual é o limite? Até onde devemos ir? O que podemos fazer para ajudar quem precisa? São muitos os questionamentos feitos em função do problema vivenciado por todos em volta do ser humano que precisa de ajuda, cujo quanto maior o grau de afetividade maior será a intensidade envolvida para a melhora do outro, sem levar em consideração até onde será o limite de uma ajuda saudável. E é aí que, surge a codependência familiar do Dependente Químico.

Mas o que vem a ser essa codependência? É uma condição psicológica em que uma pessoa se apega emocionalmente a outra, suscitando assim vários conjuntos de comportamentos secundários, desencadeados através da convivência com o dependente. Pois, quanto mais compulsivo o dependente fica pela droga, o codependente também vai ficando em querer descobrir uma solução "milagrosa" para seu familiar, permanecendo assim cada vez mais refém dos comportamentos autodestrutivos do usuário.

Convido-lhes a fazer algumas reflexões sobre tais comportamentos referente a sua forma de ajuda. Você sente culpado pela situação de dependência do seu familiar? Sente cada vez mais estressada (o) devido as raivas geradas por conta do uso dele (a)? Passa o dia todo pensando em como proteger seu familiar do uso de drogas? Todas as vezes que o telefone toca, seu coração acelera pensando que possa ser notícias ruins referente ao familiar dependente? Portanto, está na hora de cuidar da sua saúde emocional, visto que o risco de desenvolver outras doenças, como depressão, transtorno de ansiedade, transtorno de personalidade dependente, problemas cardiovasculares, gastrointestinais é amplo.

É de suma importância que os familiares codependentes façam algum tipo de acompanhamento psicológico, e ou faça parte de algum grupo de autoajuda. Na cidade de Rondonópolis /MT, podemos contar com o grupo do AE (Amor Exigente) e Pastoral da Sobriedade. Não se esqueça que a melhor forma de ajudar alguém é nos ajudando, assim podemos estender a mão e não cair junto com a pessoa que precisa ser levantada.

Alex Sandro Gomes - Psicólogo Clínico, Especialista em Dependência Química e Neurociência.

 

 

AVISO: As opiniões aqui apresentadas não correspondem com a opinião editorial deste veículo.