8 de Nov. de 2018 às 08:51

Suspeito de matar irmã nega estupro e diz que a matou com pedaço de pau

Manoel Joadir de Arruda, 59 anos, foi preso nesta quarta-feira (07), e autuado por feminicídio.

Cuiabá, MT - Daffiny Delgado

Reprodução / Montagem

Manoel Joadir de Arruda, 59 anos, suspeito de matar a própria irmã na última segunda-feira (05), foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio. Na delegacia, ele confessou o crime, mas negou que tenha estuprado a vítima.

O suspeito foi preso nesta quarta-feira (07), quando procurava atendimento médico no hospital de Nossa Senhora do Livramento.

Ele foi apontado pela própria mãe, como autor do crime que vitimou Daisy Beatriz de Arruda, 41 anos. Seu corpo foi encontrado pela própria genitora, jogado em uma região de mata na localidade do Distrito de Aguaçú de Cima, sem roupas.

A suspeita era de que a motivação do crime teria sido pelo fato de Manoel ter violentado a irmã. No entanto, em depoimento ao delegado Gustavo Belão, responsável pelo flagrante, Manoel negou que teria estuprado Daisy.

Um exame pericial foi realizado pelo Instituto Médico Legal (IML), que deverá comprar se houve ou não conjunção carnal no dia do crime.

Ele contou que na segunda-feira, ele estava na casa da vítima fazendo consumo de bebida alcoólica e conversando. A vítima teria comentado com ele que estava pensando em se separar do namorado.

Em meio a isso, os dois decidiram ir até a casa da mãe. No meio do caminho, Daisy teria tirado suas vestes para tomar banho em um riacho.  

Mas adiante eles tiveram uma discussão, momento em que ele teria se apoderado de um pedaço de pau e desferido os golpes na irmã.

Para o delegado, familiares informaram que no dia do crime, Manoel teria ido a casa de sua genitora e confessou que matou a irmã e teria tentado o suicídio.

“Na versão dele, nega que tenha ido até a casa da mãe e confessado o crime. Disse que tentou suicídio na própria casa. Ele está com lesão na garganta e barriga. “Realmente ele tentou o suicídio”, disse o delegado.

Ficha criminal

No dia da sua prisão, a polícia identificou que Manoel Joadir de Arruda, já possuía uma ficha criminal.

Ele foi acusado de outros dois homicídios ocorridos nos anos de 1996 e 2005.

Contra o suspeito, havia um mandado de prisão expedido pela 5° Vara Criminal de Várzea Grande, no ano de 2012, que não havia sido cumprido.

Nos dois crimes de homicídio cometidos por Manoel, ele foi condenado a quase 20 anos de prisão.