5 de Nov. de 2019 às 16:35

DHPP afirma que jornalista foi assassinado por dívida de drogas

A conclusão é da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá.

Cuiabá, MT - Daffiny Delgado

Reprodução

A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá concluiu que o jornalista Marcelo Ferraz, de 38 anos, foi assassinado com pedradas na cabeça por conta de um desentendimento relacionado a dívidas de drogas.

O anuncio da conclusão do inquérito policial foi realizado na tarde desta terça-feira (05), pelo delegado Fausto Freitas, que comandou as investigações.

Marcelo Ferraz foi morto no dia 30 de setembro, em um terreno baldio no Bairro Bosque da Saúde na Capital. O assassino do jornalista, Jhon Lennon da Silva, de 21 anos, foi preso dois dias depois do crime pela Polícia Militar.

"A motivação provável é que o indiciado usou alguma droga naquela dia com a vítima, acreditando que ela fosse ter dinheiro para continuar o consumo. Mas diante da falta de recurso da vítima, houve ali um desentendimento entre eles que resultou na morte de Marcelo", afirmou delegado.

Ainda conforme o delegado, a ex-namorada do acusado e as demais testemunhas não foram indiciadas por envolvimento no crime.

O inquérito já foi encaminhado para a Justiça. Agora o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE) é quem vai decidir se a ex-namorada de John vai responder por algum crime.

Leia mais sobre o assunto:

Jornalista é encontrado morto em terreno de Cuiabá

PM prende suspeito de ter assassinado jornalista a pedradas em Cuiabá

Jovem confessa ter assassinado jornalista a pedradas ao flagrá-lo com namorada

Mulher que teria participação em morte de jornalista é procurada pela polícia

Namorada desmente versão apresentada pelo suspeito sobre morte de jornalista em Cuiabá