14 de Set. de 2018 às 13:44

Perícia diz que Maggi não apagou mensagens de celular

Advogado Fábio Galindo diz que fato é gravíssimo e que espera investigação da PGR

Gazeta MT

A defesa do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, protocolou nesta quinta-feira (13) no Supremo Tribunal Federal uma perícia complementar atestando tecnicamente que ele não apagou mensagens de seu celular, após a deflagração da Operação Malebolge, em 2017.

O documento, assinado por quatro peritos do Instituto Brasileiro de Peritos, aponta que Maggi não tinha instalado em seus dispositivos a ferramenta conhecida como "WhatsApp Web Desktop", única forma de apagar mensagens remotamente.

Ou seja, as mensagens foram apagadas depois da apreensão do aparelho, já em posse da Polícia Federal.

Segundo o advogado Fábio Galindo, o fato é gravíssimo e merece imediata apuração, pois o caso revela possível "erro de procedimentos ou prova forjada".

 "Acredito que a Procuradoria-Geral da República (...) vai instaurar a competente investigação e apurar a autoria e circunstâncias desse gravíssimo fato. Um fato dessa natureza inegavelmente coloca em xeque a investigação, sendo fundamental que se esclareça rapidamente o ocorrido", afirmou o advogado.

Desde o princípio, o ministro rechaçou a acusação, tendo disponibilizado seu aparelho e todas as senhas às autoridades competentes.

 "A Perícia mostra o que sempre declarei. Agora espero que a Justiça tome as devidas providências, apure e responsabilize a quem for pela falsa acusação que me foi imputada", disse o ministro.