19 de Out. de 2013 às 11:30

Poder Público precisa aumentar investimentos para melhorar condições de trabalho no país, diz médico

Em entrevista ao Gazeta MT o médico Diógenes Garrio Carvalho disse que cidades menores precisam se estruturar para atrair profissionais

DEIVID RODRIGUES

Diógenes Garrio disse que escolheu a medicina porque assim poderia ajudar as pessoas  Foto: Arquivo PessoalO 'Dia dos Médicos' foi comemorado nesta sexta-feira (18) e o melhor presente que a categoria poderia receber é a priorização do setor pelas autoridades públicas brasileiras. Esta é a opinião do clínico clínico geral Diógenes Garrio Carvalho, que conversou com a reportagem do site Gazeta MT sobre a importância da profissão para a sociedade e do momento vivido pela classe e no setor de saúde no Brasil.

Diógenes Garrio conta que decidiu ser médico logo aos 13 anos. Apaixonado por Biologia, Química e Física ele teve a paixão pela medicina reforçada quando visitou uma faculdade e entrou na sala de anatomia. "Resolvi cursar Medicina porque sempre quis fazer alguma coisa para poder ajudar as pessoas e isso acabou encaixando muito bem nisso", contou o profissional.

Para Garrio, a atividade médica tem especial importância para a sociedade porque lida diretamente com a vida e a sobrevivência das pessoas. É um trabalho que exige dedicação plena, aprimoração constante e que tem um papel determinante para a Saúde da população.

"Há também outros profissionais, como os das áreas da fisioterapia, enfermagem e nutrição, por exemplo. Porém, o médico é fundamental porque é ele quem trata, que ajuda realmente a pessoa a ser curada. Então a importância do médico para a sociedade é essa: é ele quem zela pelo bem estar das pessoas", comenta Doutor Diógenes.

Investimento

O empenho pessoal do profissional é importante, mas Diógenes Garrio destaca que o desepenho é definido também pelo grau de investimento destinado ao setor. Segundo ele, a população conta hoje basicamente com dois tipos de medicina: a particular, que é mais avançada e disponível para as pessoas que podem pagar pelo atendimento; e a medicina oferecida através do Sistema Único de Saúde (SUS), que é precário, deficiente em tecnologia e nem sempre oferece todas as especialidades demandadas pelos cidadãos.

Para solucionar o abismo existente entre as duas, o Poder Público precisa investir mais e melhor no SUS - principalmente na parte de infraestrutura. Garrio destaca que, sem as condições adequadas, o profissional, por melhor que seja, não conseguirá desenvolver bem suas atividades. Aliás, para ele, esse é o motivo para a falta de médicos nas cidades menores.

"É por isso que a maioria dos médicos prefere se manter nos grandes centros, onde existem as condições necessárias para o bom exercício profissional. Então, é preciso estruturar melhor as cidades de pequeno porte, para que elas também se tornem atrativas", argumentou.

Diógenes reiterou que o programa "Mais Médicos" é importante, pois leva doutores para o interior do país, a fim de atender as populações carentes. Todavia, o médico disse que essas pessoas que vem de fora não conseguirão fazer muita coisa, justamente pela falta de estrutura.

"O que tem que fazer é um investimento maciço em estrutura. Só que para isso é preciso de projetos. É necessário realizar um estudo direito, bem feito, não essas coisas feitas geralmente de forma eleitoreira, de qualquer jeito. Mas, tem que planejar algo mais a longo prazo, porque é muito investimento a ser empregado" disse Diógenes.

 

Comente:

seja o primeiro a comentar

Publicidade:

Publicidade: