4 de Junho de 2019 às 17:14

Produtores cobram resposta do Governo em relação a Carta de Reivindicações

O apelo dos produtores se baseia, principalmente, em razão das péssimas condições das rodovias estaduais.

De Cuiabá-Sabryna Carvalho (com assessoria)

A Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja-MT) informou que não recebeu uma resposta oficial do Governo do Estado a respeito da Carta de Reivindicações dos produtores que foi entregue no dia 15 de maio, durante ato do Movimento Mato Grosso Forte, ao governador Mauro Mendes, e a então presidente da Assembleia Legislativa em exercício, à época, Janaína Riva.

A Aprosoja-MT reforça que tem respeitado o prazo solicitado pelo chefe do Executivo Estadual, finalizado no dia 31 de maio, mas que até o momento seguem aguardando a resposta oficial, cientes do anseio dos produtores de soja e milho, especialmente aqueles que fizeram parte do ato que reuniu, em Cuiabá, mais de 1.500 produtores e produtoras rurais. 

Manifesto:

A manifestação intitulada de "Movimento Mato Grosso Forte - Quem paga imposto cobra resultado" realizada no dia 15 de maio, foi uma maneira de cobrar do poder público a destinação correta dos impostos arrecadados.  O apelo dos produtores se baseia, principalmente, em razão das péssimas condições das rodovias estaduais - utilizadas não apenas para o escoamento da produção-, como no uso diário de milhares de mato-grossense, conforme levantamentos realizados pelo Movimento Pró-logística e pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), e da falta de investimentos na manutenção e construção de rodovias. 

 

Em janeiro deste ano, o governador sancionou uma lei que ampliou o número de culturas que deveriam pagar o tributo, para o milho, por exemplo. "A taxação sobre o milho veio para inviabilizar a produção e não podemos aceitar isso" afirmou o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan.