13 de Junho de 2017 às 10:32

Mauro Mendes pode assumir presidência estadual do PSB em detrimento a políticos destituídos

Gazeta MT

O ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, e a cúpula nacional do PSB seguem firme num acordo que pode enterrar em definitivo os planos dos políticos filiados destituídos em nível Estadual, entre eles os deputados federais Fábio Garcia e Adilton Sachetti. Mendes está prestes a e tornar o novo presidente do partido em Mato Grosso.

A informação já foi confirmada por parte da cúpula nacional. Mendes, segundo a própria, é encarado como o melhor indicado, tanto pela experiência política quanto pela falta de opção do PSB. Segundo parte da imprensa no Estado, Mendes partiu para a reciprocidade, topa chamar para si a responsabilidade. Para 2018, Mendes já pode ser considerado pré-candidato ao Senado Federal, bom motivo para galgar tão visado patamar.

Há dois meses, Fábio Garcia, então presidente estadual do PSB, votou em favor da Reforma Trabalhista do governo Temer na Câmara, contrariando postura e ordem direta do PSB dada a seus representantes e a punição veio rápido. Acabou punido e destituído pela cúpula nacional.

Não bastasse o boicote, demais parlamentares do PSB de Mato Grosso emitiram carta oficial em repúdio à medida tomada. A nota chega a comparar o episódio ao autoritarismo "resquícios da ditadura". "Apoiamos integralmente o voto proferido pelo deputado Fábio Garcia a favor da reforma trabalhista", destacaram. Acabaram, TODOS, também destituídos.

Além de Fábio Garcia e Sachetti, foram punidos Eduardo Botelho (presidente da Assembleia Legislativa do Estado), os deputados Oscar Bezerra e Max Russi, que hoje comanda a secretaria estadual de Trabalho e Assistência Social (Setas).

A decisão do diretório nacional também atingiu Mauro Mendes, mas em menor escala.