9 de Out. de 2017 às 10:19

Denúncias de concurseiros põem em xeque prova de delegado da PJC

Gazeta MT

Candidatos do concurso público para delegado da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso denunciaram problemas com o exame realizado no último domingo, 8, na capital do Estado. Muitos deixaram os locais de prova anunciando que iriam entrar na Justiça pela anulação do teste.

A primeira etapa da prova foi a objetiva, a segunda se dedicava á dissertativa. Cerca de 13 mil candidatos se inscreveram para a prova.

As reclamações

Na lista de queixas, candidatos relataram ausência de mais de 50% dos candidatos em alguns locais de prova, proibição quanto ao uso de caneta azul -contrariando o edital-, e falta de energia elétrica em algumas salas de aula.

O mais grave: candidatos relataram terem recebido os envelopes com as provas violados.

Em exames oficiais, como o Enem ou provas de concurso público, a utilização de aparelhos eletrônicos é proibida. Contudo, fotos do cartão de resposta da prova objetiva circularam livremente em nos aplicativos de mensagens.

Processo

Já houve candidato entrado com ação na Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular pedindo a suspensão da prova. Para fechar o enredo, consta no processo de duas responsáveis pela escolha da banca julgadora estavam inscritas no teste. Ocupavam cargo na Secretaria de Estado de Gestão -Seges e foram exoneradas dois dias antes à realização do teste.

Irregularidades no edital do referido concurso também já resultaram em representações no Ministério Público Estadual. Uma representação apontou privilégios a policiais que prestarem o concurso.