16 de Julho de 2019 às 14:34

Wellaton afirma que vereadores de oposição não pediram fim do prêmio-saúde

Gazeta MT

O vereador  Felipe Wellaton (PV) se posicionou sobre a polêmica do corte do prêmio-saúde concedido aos servidores da Saúde de Cuiabá. O vereador explica, que ele e seus colegas de oposição, não pediram a suspenção do benefício. Ainda de acordo com Wellaton, foi apresentado uma denúncia ao Tribunal de Contas, contra o Secretário de Saúde Municipal, Antônio Possas, por ter recebido mais de R$ 30 mil de um prêmio-saúde que o secretário criou para si mesmo, sem a aprovação da Câmara. Em abril, o secretário criou um bônus de R$7 mil mensais ao próprio salário. Diante da situação, os vereadores de oposição realizaram a denúncia. Além do vereador Wellaton, a representação foi feita pelos vereadores Marcelo Bussiki (PSB), Abilio Júnior (PSC), Diego Guimarães (PP) e Dilemário Alencar (Pros). Felipe relata que esse prêmio era tão ilegal, que o próprio secretário reconheceu e suspendeu.

Revoltados com a situação, os servidores da Saúde lotaram as galerias da Câmara da capital na manhã desta terça-feira (16), para cobrar a retomada do pagamento do benefício, suspenso pelo TCE. Por outro lado, os vereadores já tinham tomado uma atitude sobre a situação. Na última sexta-feira (12), eles protocolaram no Tribunal de Contas os esclarecimentos sobre a legalidade do prêmio-saúde dos servidores, e pediram a liberação do pagamento.

Para Wellaton, o prefeito Emanuel Pinheiro usou da situação para mentir e colocar a culpa da suspensão do prêmio-saúde nas costas dos vereadores de oposição. "Nós NUNCA pedimos que o prêmio-saúde dos servidores fosse suspenso, e o Tribunal de Contas pediu informações por duas vezes à Prefeitura sobre esse valor pago por força de Lei desde 2003. O que a Prefeitura fez? Não respondeu, e o Tribunal de Contas suspendeu o seu pagamento aos servidores", esclarece Felipe.

Na prática, o benefício é um incentivo financeiro e que tem como meta a melhoria do índice de satisfação do usuário do Sistema único de Saúde. Com toda essa confusão, o que se espera é que a população também não seja prejudicada. E que o direito dos servidores de receberem o prêmio-saúde possa ser reestabelecido o mais rápido possível.