10 de Julho de 2018 às 07:34

Prefeito toma café da manhã com reeducandos do projeto 2ª Chance

E ouve avaliação positiva dos resultados dessa iniciativa

Redação com assessoria

"Durante a nossa gestão - minha e do Sérgio - vocês terão respeito, reconhecimento e oportunidade de romper a barreira do preconceito e, no futuro voltarem ao mercado de trabalho". Com essas palavras o prefeito de Primavera do Leste, Léo Bortolin, reiterou aos reeducandos durante o café da manhã na última sexta-feira (9), na Secretaria de Infraestrutura, o compromisso da Prefeitura em lhes oferecer apoio psicológico, médico e dentário, como parte do projeto 2ª Chance.

Os reeducandos trabalham na Secretaria de Infraestrutura através de convênio do 2ª Chance com a Secretaria de Assistência Social, que administra a operacionalização do projeto. Inicialmente são 30 reeducandos - 20 do semi-aberto e 10 do regime fechado. E esse projeto só foi possível devido as participação efetiva do Judiciário, através do Ministério Público, das Igrejas e, da compreensão dos gestores que acreditaram nos resultados práticos da iniciativa. E a comprovação é inquestionável.

Adeclecir dos Santos Ferreira, 27, encontrou nesse projeto a grande oportunidade de trabalhar enquanto paga a dívida dele com a justiça e com a sociedade. "O erro não vale a pena, nunca tinha tido problema com a justiça e vacilei. To pagando por isso e não vou desperdiçar a oportunidade que o prefeito está oferecendo pra nós".

Aline Rose Ramos Moura, 27, ficou feliz com o retorno do projeto que havia sido interrompido na gestão anterior. "Essa oportunidade vai abrir portas pra nós, porque o preconceito é claro, evidente, ninguém quer empregar um reeducando. As pessoas nos olham com outros olhos, não acreditam que podemos mudar."

Lorrany Lopes Iwashita, 25, mãe de uma menina, diz que o projeto "é excelente, porque vai abrir portas e, com certeza deixaremos de sofrer preconceito que fica claro quando procuramos serviço no mercado de trabalho, as pessoas nem disfarçam para negar uma oportunidade". Segundo ela, o salário que está recebendo tem ajudado a planejar sua vida com sua filha que até então era cuidada pela avó e tias.