14 de Maio de 2019 às 10:02

Rachado, Zé do Pátio escondeu Ubaldo

Gazeta MT

Por onde anda o vice-prefeito de Rondonópolis? Ubaldo de Barros, até onde se sabe, teve sua importância na campanha eleitoral de 2016, ajudou a eleger o atual prefeito José Carlos do Pátio. O mesmo Zé que dois anos depois tratou de esconder, ou melhor, limar seu vice da política local.

Óbvio que Ubaldo que não está morto. Pelo contrário, tornou público seu racha com o prefeito, se filiou ao Cidadania (já em clima de guerra) e segue articulando, quem sabe, uma candidatura a prefeito em 2020. Nas redes sociais, é forte sua mobilização. Sua ambição atual é disputar com o próprio Zé do Pátio. Tirar quantos votos puder e ainda vislumbrar vitória. Talvez sonhe alto demais.

Seja como for, Zé, de fato, merece uma, digamos, lição democrática. Se Ubaldo concorrer e lhe tomar parcela significativa de voto, já está de bom tamanho. O atual prefeito usou da imagem e do dinheiro de seu vice. Isso mesmo, U-S-O-U. Nem acabara de ser eleito, mostrou o jeitão Zé de governar. 

Pátio é centralizador, complexado, desconfiado... Não sabe delegar simplesmente porque não confia nem mesmo nos seus. Seu atual secretariado que o diga. Ninguém ali abre a boca nem toma atitude em quase nada. Bando de comissionados decorativos sob o centralismo do chefe.

Tão por isso, Rondonópolis desanda. Como disse à coluna um olheiro: "pinta a rua, mas deixa o buraco". Não é exagero, o município não tem tocado projetos, perde recursos federais por não atender a burocracia básica. O prefeito não cumpre suas populistas promessas de campanha e desatende seu povo. O trem está desgovernado e o maquinista é o centralizador Zé do Pátio.

Fim de mandato, Zé virá para uma corrida à reeleição desgastado. O discurso periférico e o bordão "é o Zé que o povo quer", tendem a não convencer nem mesmo os mais alheios. Seja contra Ubaldo ou quem mais vier, que venha 2020.