23 de Abril de 2018 às 13:20

Com quatro casos de H1N1 sob investigação, Rondonópolis adere a campanha nacional

Secretaria Municipal pede que grupos prioritários procurem unidades de Saúde para realizar a imunização

Robson Morais

A Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis segue frente à campanha de vacinação no município. A medida atende uma determinação federal, do Ministério da Saúde -MS, e foca nos chamados grupos prioritários. Quatro casos de suspeita de H1N1 em pacientes internados segue sob investigação. 

Segundo a Pasta, a meta é vacinar pouco mais de 50 mil pessoas em Rondonópolis. Com estoque reduzido, apenas 15% do total esperado foi repassado ao município pelo MS. A estimativa, informa, é que uma nova remessa seja destinada nesta semana. "O Ministério da Saúde está distribuindo a vacina para os diversos estados do país em remessas. Assim, o Governo do Estado de Mato Grosso repassou para o município de Rondonópolis, na primeira remessa, 18.500 doses da vacina, para começar a campanha", diz o órgão. 

Devem se vacinar pessoas que façam parte do grupo prioritário, que é definido de acordo com estudos epidemiológicos adotados pelo Ministério da Saúde e caracteriza-se por indivíduos mais suscetíveis ao agravamento das doenças respiratórias: idosos com mais de 60 anos; crianças de seis meses a cinco anos; gestantes em qualquer idade gestacional; puérberas com até 45 dias após o parto; trabalhadores da área de saúde; indivíduos privados de liberdade, inclusive adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas; população indígena; professores de escolas públicas e privadas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis como asma, bronquite e diabetes, entre outras; pessoas em condições clínicas especiais como pacientes que fizeram algum tipo de transplante, portadores de HIV e pessoas com câncer em virtude da quimioterapia e da radioterapia que levam à baixa imunidade.

Dia D

A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza começa nesta segunda-feira (23) e segue até o dia 01 de junho. O Dia D é 12 de maio. A vacina é a Trivalente, que imuniza contra os vírus influenza A, nas variações H1N1 e H3N2, e o influenza B.

A dose da vacina garante a imunidade por um ano. Por isso, todos os anos, o grupo prioritário deve se vacinar durante a campanha. Além da campanha, a Secretaria Municipal de Saúde recomenda permanentemente aos seus pacientes que evitem lugares aglomerados e fechados, lavem as mãos e usem álcool gel como forma de prevenção da gripe.

Pacientes internados

Até agora o setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde recebeu quatro notificações de casos suspeitos, sendo de dois adultos e duas crianças. Os três que foram internados na Santa Casa já receberam alta, pois o estado de saúde dos pacientes evoluiu para a cura.

Outra paciente, que se internou no Hospital Regional, era de Jaciara e foi a óbito. Ela também foi identificada como caso suspeito, portanto, sem confirmação laboratorial.

Os exames de confirmação são feitos em São Paulo, Rio de Janeiro ou Belém do Pará. O resultado para a confirmação da doença demora cerca de 30 dias. "Todo caso suspeito é preocupante para a Saúde Pública, inclusive os casos confirmados de H1N1 em Goiás, não só para Rondonópolis, mas para todo o país e para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Sempre que há um surto de uma doença infecto-contagiosa em qualquer região do país os órgãos de saúde devem estar em alerta e a população deve ficar atenta e procurar uma unidade de saúde se constatar o surgimento de sintomas. Vale lembrar que a população do grupo prioritário deve tomar a vacina o quanto antes", alerta a Secretaria Municipal de Saúde.

São sintomas da doença febre alta, dores musculares ou nas articulações, dor de garganta e falta de ar e tosse seca.