15 de Ago. de 2018 às 06:50

Grupo que furtou 15 toneladas de cabos de cobre é preso pela Polícia Civil

Eles serão indiciados pelos crimes de associação criminosa, receptação qualificada, furto qualificado e posse ilegal de arma de fogo

Redação com assessoria PJC/MT

Quatro integrantes de um grupo articulado para furtar cabos de cobre e cometer outros crimes foram presos pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (MT), da Polícia Judiciária Civil, na última segunda-feira (13). A ação resultou também na apreensão de uma arma de fogo, munições e parte dos cabos de cobre furtados.

Foram presos Washington Menezes Mendes, 42, conhecido como Gordo, Everton da Silva Santiago, 24, o "Vida", Valdei Cruz Santana, 47, popular "Nego", e Jonathan Wilker dos Santos da Silva, 24, "Naninha e Noninho". Os envolvidos serão indiciados pelos crimes de associação criminosa, receptação qualificada, furto qualificado e posse ilegal de munições e arma de fogo com identificação adulterada.

As diligências iniciaram após informações obtidas pela Derf de Várzea Grande sobre pessoas associadas para praticar de forma reiteradamente crimes de roubos e furtos, nas cidades de Várzea Grande e Cuiabá (MT).

O grupo seria responsável pelo furto qualificado ocorrido na noite de sábado (11.08), no almoxarifado de uma empresa de telefonia, no bairro Jardim das Palmeiras, em Cuiabá. Do local, foram subtraídas 15 toneladas de cabos de cobre e uma máquina de policorte.

Com base na denúncia, três suspeitos foram identificados. O primeiro, Washington, foi abordado pelos policiais civis em seu veículo, GM Chevrolet, que também foi utilizado na ação criminosa. Na ocasião, o suspeito assumiu o furto na empresa de telefonia, praticado junto com os comparsas, Jonathan e Everton, que receberam, cada, R$ 300 e R$ 500, respectivamente.

Washington assumiu ter usado no furto, seu veículo Saveiro de cor branca, informação comprovada pelas imagens captadas pelas câmeras de segurança do local do crime.

Além de confessar autoria de outros furtos, ele também afirmou ter vendido (não pela primeira vez) 700 quilos do cobre furtado, para o proprietário de um comércio de sucatas, Valdei Cruz, pelo valor de R$ 12 mil, tendo recebido a quantia de R$ 3 mil, e o restante acordado para receber depois.

Diante dos relatos, as equipes da Especializada foram até o comércio de Valdei, que já possui antecedente criminal por receptação, local onde foi encontrado um conector coaxial, furtado da empresa de telefonia.

No endereço de Everton foi apreendido um revólver calibre 38 com numeração raspada e três munições do mesmo calibre. Ao ser indagado, Everton confessou a participação do furto dos cabos de cobre. O suspeito tem três condenações por roubo majorado e porte ilegal de arma de fogo, com a numeração suprimida. Ele está em liberdade provisória e faz uso de tornozeleira eletrônica.

Relatório do aparelho monitorador de Everton comprova que ele estava no local e no momento exato do furto. "Bem como demonstra que na noite anterior Everton estava no mesmo lugar na companhia de Jonathan, possivelmente planejando o crime", destacou a delegada Elaine Fernandes.

Na casa de Jonathan, que também possui condenações e tornozeleira eletrônica, os policiais civis encontraram restos de cabo de cobre derretido, confirmando a participação dele com o grupo criminoso.

Ao ser perguntado sobre os vestígios, Jonathan negou a autoria do furto, alegando apenas ter acompanhando Everton até o local, na madrugada anterior dos fatos. Ele ainda alegou que foi prometido pagamento de R$ 300,00 para ele derreter o cobre furtado.

"Os índices de furtos de cabo de cobre está aumentando em Várzea Grande, causando grandes prejuízos, inclusive para órgãos públicos, situação que vem causando preocupação para as forças policiais", declarou a delegada Elaine Fernandes da Silva.