22 de Julho de 2019 às 09:06

Darci Lovato é condenado por fraudar documentos para se efetivar na AL

Gazeta MT

O ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis (Coder), Darci Lovato, foi condenado por fraudar documentos para se tornar funcionário efetivo da Assembleia Legislativa (AL), onde atualmente exerce a função de gerente pedagógico da Escola do Legislativo e recebe o gordo salário de R$ 21,8 mil.

Homem de confiança do ex-presidente da AL, José Riva, condenado e preso por corrução, Lovato foi presidente da autarquia na primeira gestão do prefeito José Carlos do Pátio (SD) e se notabilizou por deixar as finanças da empresa em frangalhos, com enormes dívidas com fornecedores e com impostos, situação que até hoje ainda tem reflexos na empresa.

Darci Lovato faz parte de um grupo de mais de cem funcionários da AL que estão com a estabilidade questionada na Justiça, sendo que a maioria destes já perderam o direito em Primeira Instância, mas que ainda podem recorrer em instâncias superiores e continuam recebendo seus gordos salários bancados pelos cofres públicos. No caso de Lovato, ele já foi condenado pelas fraudes em documentos para conquistar a estabilidade, mas ainda não foi condenado à perda do direito, que é exclusivo para aprovados em concurso público.

A grande maioria das falcatruas ocorreram na época em que a dupla José Riva e Humberto Bosaipo davam as cartas na AL, e no rolo estão desde ex-prefeitos, ex-secretários municipais, ex-policiais, radialista e colunista social, ex-vereadores e políticos que não conseguiram se eleger.