30 de Dez. de 2017 às 09:46

Pilates na gravidez

Gazeta MT

Quando uma mulher descobre que está grávida, o mundo ao seu redor se transforma e tudo começa a girar em torno da sua saúde e do seu bebê. Mas apesar de esta fase da vida ser tão linda e esperada, muitas gestantes sentem dificuldade em escolher as melhores opções para se cuidar e definir o exercício físico mais adequado para o momento. Alguns médicos indicam o Pilates, por ser completo, porém sem saber que começar a praticar a atividade durante a gestação, sem nunca ter feito antes, é contraindicado, elevando os riscos de parto prematuro, diástase abdominal ou, até mesmo, o aborto.

Hoje em dia a mulher tem uma vida profissional muito mais ativa, o que, em muitos casos, faz com que haja um planejamento da gravidez. Para se ter uma recuperação mais rápida, aí sim entra o Método Pilates meses antes da gestação, pois ele irá preparar a musculatura abdominal, o assoalho pélvico e dar uma maior estabilidade à pelve e à coluna, evitando dores lombares e dando uma maior sustentação do útero no período da gestação.

O Autêntico Método Pilates de Condicionamento Físico e Mental (ou Contrologia) foi criado por Joseph Pilates há mais de 100 anos para mudar o corpo e a vida dos praticantes por meio de um sistema complexo de movimentos seguros e eficazes que ajuda as pessoas a cuidar do próprio corpo e conquistar uma vida saudável e feliz em todas as idades. Por meio da prática que trabalha de forma global e integrada o corpo físico, mental e emocional, os alunos conseguem melhorar postura, concentração, capacidade vascular e cardiorrespiratória, força, flexibilidade, resistência e controle motor, reduzir tensão muscular, estresse, fadiga e dores crônicas, eliminar as consequências do sedentarismo, reabilitar lesões e desacelerar processos degenerativos e de envelhecimento.

Os exercícios do Pilates podem beneficiar a futura mamãe e ajudá-la a manter uma boa postura, aliviar algumas dores habituais, diminuir a tensão muscular e sobrecarga articular, ter maior eficiência do sistema circulatório e linfático e consciência corporal. Porém, para que ela possa frequentar as aulas na gravidez, o ideal é que pratique o método há pelo menos seis meses e já tenha um "Power House"- região central do corpo, também chamada de "Centro de Força" ou "Core", que envolve os músculos abdominais, o assoalho pélvico e a musculatura das costas, tonificando pernas e braços e, assim, melhorando a sua estética.

O próprio Joseph Pilates não permitia que mulheres que não eram praticantes do Método antes de engravidarem fizessem seus exercícios na gestação, pois não tinham o Power House. Este conjunto de músculos sofre muitas mudanças durante a gravidez, por isso exigir mais dessa região pode causar muita sobrecarga e problemas como o risco de aborto, diástase abdominal, lesões no quadril e parto prematuro.

A praticante do Autêntico Pilates inicia sua gestação com um corpo mais preparado para as alterações que virão. E ao continuar com a atividade, a mulher mantém um equilíbrio físico e mental, controla o ganho de peso, trabalha para compensar as mudanças na pélvis, coluna e ombros e evita inchaços e dores nas costas. A prática na gravidez pode evitar que os músculos abdominais se separem muito, ao desenvolver uma maior estabilidade do corpo, coluna vertebral, pélvis e abdômen e estimular o músculo transverso.

Sabemos que há profissionais que dizem aplicar Pilates para gestantes, mas o Sr. Joseph Pilates e Romana Kryzanowska não permitiam a nenhuma grávida iniciar a atividade nesta situação, pois sabiam que há muitos riscos ao não saber usar corretamente a contração abdominal, o que pode "pressionar" assoalho pélvico, bexiga e útero para baixo. Se você já é praticante do Método antes de engravidar e o seu médico a liberou para frequentar as aulas, converse com o seu instrutor para que ele adapte todos os exercícios e realize um treinamento físico beneficiando-se do método e preparando-a para um parto mais tranquilo. E lembre-se: qualquer atividade física só deve ser praticada se houver a liberação de um médico devidamente qualificado.

 

AVISO: As opiniões aqui apresentadas não correspondem com a opinião editorial deste veículo.