7 de Ago. de 2018 às 14:40

Santa Casa confirma regularização dos repasses de 2018, mas calcula atrasos de 2015

Déficit geral e mudança na forma de pagamento ocasionaram rombo nos cofres, alega hospital filantrópico; UTI segue fechada

Robson Morais

Em nota, a Santa Casa de Rondonópolis comunicou a regularização por parte do Governo do Estado dos repasses atrasados desde o início de 2018. Quanto a reabertura da UTI pediátrica, fechada desde o dia 19 de julho, o hospital filantrópico descartou a possibilidade e disse que situação ainda não está resolvida.

O empasse continua por conta de atrasos mais antigos, segundo o hospital. Há, afirma, um "déficit geral corrente desde 2015". Outro problema apontado no comunicado se refere a duas portarias publicadas pela Secretaria Estadual de Saúde, que alterou a forma do pagamento  que custeia a UTI, ocasionando o rombo.

Cada leito de UTI custa, calcula a Santa Casa, R$ 1,8 mil dia. Deste montante, o Estado custeava pouco menos: R$1,5. Em junho de 2017, porém, com a segunda portaria, o valor do repasse baixou ainda mais e passou a ser do de R$1,3 mil. Desde a alteração até o atual momento, calcula-se um déficit superior a R$ 3 milhões.

A nota emitida não detalha os valores nem os serviços pagos pelo Estado. Pela manhã, a reportagem solicitou estas informações ao hospital. Até o fechamento desta reportagem, não tivemos retorno.

A UTI segue sem receber pacientes. A interrupção de procedimentos eletivos, também prevista, foi suspensa após intervenção do Ministério Público do Estado e da Ordem dos Advogados do Brasil.