10 de Jan. de 2017 às 08:41

Medeiros aproveita boa maré construída no Senado em disputa contra enrolado peemedebista

Gazeta MT

Das bancadas que se articulam de olho nas eleições à presidência do Senado Federal já no primeiro dia de fevereiro, tem a maior o PMDB. Na disputa pelo comando da Casa, teria a sigla nas mãos faca e queijo para disputar e consolidar a continuidade do jeito Renan Calheiros (PMDB-AL) de fazer política, não fosse, mais uma vez, o medo do rabo preso devidamente delatado no desenrolar da Operação Lava Jato.

Nunca se viu partido mais citado, mais até que o próprio PT. Deixemos, entretanto, este tema para uma próxima coluna. Mote desta é a abertura, por conta de tanta corda no pescoço, dos caminhos ao senador mato-grossense José Medeiros (PSD). Abaixo, explica-se:

Pelo PMDB, intenta disputar a presidência do Senado o atual líder do partido, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Seu nome, entretanto, já fora citado nas delações de executivos da construtora Odebrecht. Na última, apareceu na lista de "propineiros" apontada pelo ex-diretor institucional Cláudio Melo Filho. Eunício nega que tenha recebido ao menos R$2mi em propina a troco de contratos e projetos de interesse da empreiteira.

Seja como for, o nome fora queimado. E é na contramão que surge Medeiros, figurando como via alternativa. Enquanto o peemedebista vive futuro incerto, podendo ser eleito e cassado, o social-democrático surfa numa onda sem rejeição e moral costurada ao longo de 2016.

Há uma semana, em entrevista ao GazetaMT, Medeiros chegou a comentar os planos de ocupar o posto maior na Casa. ""Há quem diga que é um suicídio político. Mas não tem problema, porque hoje tenho respaldo. Se continuar este cenário eu serei sim candidato. Tenho medo é de errar pela omissão, prefiro errar por ação, desde que pensada", frisou ao se referir tanto aos colegas que apoiam quanto aos que rejeitam a candidatura. No segundo grupo, está Gilberto Kassab, ministro das Ciências, Tecnologia e Comunicações e presidente nacional do PSD.

Também sobre o pífio presidente do PSD, Buxixo prefere não comentar. Não vale o espaço gasto, essa é a verdade.  De volta a Medeiros, surfista nesta boa maré, é hora de avançar e trazer para si os votos que Eunício certamente já começa a perder.